terça-feira, 26 de julho de 2016

sexta-feira, 3 de junho de 2016

choro e ninguém vem.
é porque eu sou filha de ninguém.
é uma dor que eu não alcanço significado pra botar aqui no "papel".
não valer a pena pra ninguém dói demais.
não ser amada por ninguém dói demais.








help
me...
por favor...
salve
me.
eu imploro.

quarta-feira, 1 de junho de 2016

sexta-feira, 25 de março de 2016

é como se eu pudesse falar para aquela pessoa daquele filme que está sozinha e triste e acabada: eu tô aqui, eu te vejo, você não tá sozinha, eu estou olhando pra você, eu não vou a lugar algum.



quinta-feira, 24 de março de 2016

o dia que não está no calendário nem em ninguém.

não foi nada.
nasceu num dia comum.
não fez barulho algum.
ninguém fez barulho, aliás.
era insuportável amá-la.
nada foi suportado.
ela se tornou uma pessoa insuportável.
com o coração quebrado. sem laços.
não foi amada.
cresceu no escuro.
não foi motivo do riso de ninguém.
não foi amada.
não tinha ninguém.
era um nada vezes nada.
era pedir e falar e gritar e chorar e berrar e o nada respondia.
não foi amada!
cresceu jogada, e que se virasse pra sobreviver.
não faço idéia de como sobreviveu.





quinta-feira, 17 de março de 2016

não há nada mais que eu queira do que alguém que me ame.


daqui a seis meses eu renascerei morta, mais uma vez.
prematura pra sempre.
morta-viva. tentando continuar respirando. e doendo a cada respiração que não encontra nunca onde expirar de alívio.

quinta-feira, 10 de março de 2016


"meu anjo de guarda noturno
você é quem sabe de tudo
e quando eu peço proteção
não é pra fugir do ladrão
nem pra me esconder na igreja
eu quero é que deus no proteja
das dores do Coração."

terça-feira, 8 de março de 2016

eu tô tão fudida.
tão estragada.
tão perdida.
tão encurralada.
tão desesperada.
tão cansada.

terça-feira, 1 de março de 2016

não tem nada que salve. Não teve um começo. Não teve amor, nem corpo, nem nada. Tenho esses sonhos em que eu estou parindo a mim mesma. Ou que estou parindo alguém e é sempre algo sem significado para as outras pessoas que estão perto. é algo que não é importante pra ninguém. É assim que eu me sinto. Não importante. Queria alguém que me amasse. Só porque me amar. Meu começo foi um nada sem importância. Eu queria ter tido importância pra alguém. E eu queria ter podido amar alguém com todas as minhas forças. Mas eu não amo. Eu queria que tivesse amor dentro de mim. Saindo e entrando. Mas não tem. É mais que isso talvez. É sentir vida saindo e entrando. Eu não sei como fazer isso de viver. Não sei. Eu choro o tempo todo e peço o tempo todo por uma mãe que nunca existiu nem vai existir. Dói. E eu aperto um travesseiro contra a minha barriga pra tentar estancar a dor. Mas ela nunca para. Dói na barriga e se espalha pro corpo todo. Cada segundo que eu consigo respirar é mais um segundo que tenho que carregar minha não-vida comigo. Tô paralisada. (grito de socorro...)

segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

era uma pessoa muito engraçada.
não tinha teto, não tinha nada.
ninguém podia se relacionar com ela não,
porque a pessoa não tinha chão.